terça-feira, 21 de agosto de 2012


O ABATE DE CANGURUS NA AUSTRÁLIA  E A ADIDAS
MILTON  MACIEL

Várias postagens no Facebook dizem textualmente “A Adidas está matando milhares de cangurus na Austrália para fazer sapatos”. Isso é incorreto.

(Para se entender o que aqui se diz, é necessário ler até o fim, sem preguiça, e chegar aos valores numéricos lá expostos).

Longe de mim defender a ADIDAS – que não tem minha simpatia por outras razões – do que quer que seja, mas a realidade é bem diferente. Quem originou essa matéria, que vem sendo repostada nas redes sociais, sem maiores análises críticas, por pessoas sensíveis e de boa vontade, não tem conhecimento suficiente sobre a Austrália e sua economia. E não conhece bem economia agrícola, minha aérea, de um modo geral. Ou tem outras razões para fazer o que fez, sabe-se lá!  

Existe na Austrália uma INDÚSTRIA DO CANGURU, assim como existe do gado bovino e do ovino.

   Aceito que pessoas sejam contra a matança de cangurus para fins de aproveitamento humano. Mas antes vamos olhar os pezinhos delas, suas bolsas e malas, suas despensas e geladeiras. Aqui no Brasil, por exemplo, onde criamos um bovino para cada ser humano (somos os maiores exportadores mundiais de carne bovina), temos, em consequência dos abates internos, um gigantesca industria do couro e uma correspondentemente grande indústria calçadista. (Veja os números no final, não deixe de fazê-lo)

 Aqui também matamos cabras, ovelhas, porcos, peixes, jegues, tartarugas, coelhos, capivaras, codornas, faisões e muitas, muitas galinhas e frangos. BILHÕES DELES! Sim, eu disse BILHÕES, não foi erro de digitação.

Atenção quem está reclamando da matança dos cangurus: Você usa sapato de couro, tênis com aplique de couro, banco de carro de couro, usa bolsa de couro, come carne de boi, de frango e de outros animais? Come ovos e consome laticínios? Se a resposta é SIM, perdeu a moral para falar dos australianos. Agora, se é vegano roxo (e deixo claro que eu não sou), aí pode falar, na moral!

Agora a VERDADE sobre a INDÚSTRIA do canguru na Austrália:

A população desses animais vem sendo mantida constante, nos últimos 25 anos, ao redor da média de 25 milhões de animais (o país tem também 27 milhões de bovinos, um quase nada perto do que nós temos aqui no Brasil). Não há risco de extinção dos cangurus. A matança autorizada A EMPRESAS E PESSOAS ESPECIALIZADAS e controlada pelo governo é de 8% da população de cangurus por ano - 2 milhões dos 25 milhões de animais, as pequenas variações anuais ocorrendo mais em função das secas.

Ora, havendo o abate desses 2 milhões, existirão dois milhões de COUROS, que serão curtidos e industrializados (são couros pequenos, quando comparados com os de boi). O que a Adidas e os demais fabricantes de calçados fazem é só aproveitar esses couros disponíveis na indústria local do canguru. Aqui no Brasil, as fábricas fazem o mesmo com couro de boi, de jacaré e até de peixe.

Portanto, NÃO É VERDADE, QUE UMA FÁBRICA DE CALÇADOS MATE CANGURUS. E uma só fábrica, ainda por cima! Seria como afirmar, aqui no Brasil, que a SAMELLO ou uma única outra fabricante de calçados, de Franca ou de Novo Hamburgo, mata bois para fazer sapatos. Ridículo.

O que pega aqui no Brasil e na Europa, é que o canguru é um bichinho fofinho que a gente só conhece de zoológico e de filme infantil. Mas para os australianos a realidade é totalmente diferente. Os cangurus se reproduzem em liberdade, como animais silvestres e com tanta prolificidade, que é feito um controle populacional pelo abate calculado de menos de 10% da população total por ano. No Brasil começa a se ver isso no Rio Grande do Sul, onde já vem sendo autorizados pelo IBAMA  abates de um grande número de javalis e porcos selvagens que, oriundos do Uruguai, reproduzem-se com tal facilidade que se tornaram uma séria ameaça a lavouras e a seres humanos, pela sua extrema agressividade.

Para os australianos, é essa caça controlada ao canguru que gera a indústria correspondente, com toda a sua cadeia de produtos, subprodutos e empregos diretos e indiretos. São dois milhões de animais, cuja carne é apreciada e consumida pelos australianos; e dois milhões de couros que são industrializados a aproveitados, pela indústria calçadista inclusive, pela Adidas inclusive.

Podemos morrer de dó do canguru abatido, do filhote que pode morrer à míngua. Mas porque não morrer de dó do bezerrinho que, meses depois, você estraçalha nos dentes na forma de picanha e costela na sua churrascaria favorita? E que dizer do seu filé, sua lingüiça, seu queijinho prato, seu ovo frito? E do bezerrinho desnutrido na marra para virar VITELA?

 Todo abate é, sem dúvida, um ato de crueldade contra o animal. Mas só tem moral para falar isso de boca cheia (desculpe o trocadilho) o VEGANO. Desde que, coerentemente, não use nada de couro também.

Você está falando mal da Adidas e dos australianos? Os australianos matam 2 milhões de cangurus por ano, esses malvados. Pois então deixe eu lhe dar os números do Brasil, referentes ao ano de 2010:

ABATE TOTAL  (IBGE, Nov. 2011)

BOVINOS – 30 milhões de animais 
PORCOS -    33 milhões de animais
FRANGOS -   5 BILHÕES de animais

E mais:
COUROS – 35 milhões de unidades
LEITE – 22 BILHÕES de litros
OVOS -   2,5 BILHÕES  de dúzias

CANGURUS – 2 milhões de animais (Ah, esses bandidos australianos! São uns desumanos, não são bonzinhos como nós, os suaves e gentis brasucas, que não sacrificamos os nossos animaizinhos para comer, usufruir e exportar, que não formamos entre os maiores gigolôs de bicharada deste mundo!).

E olhe que alguém pode começar, no Facebook da Austrália, uma proposta de boicote aos calçados e tênis feitos no Brasil, por extrema crueldade contra os nossos animaizinhos. Afinal, só em bovinos, matamos quinze para cada canguru deles. E bois de 15 arrobas ou mais, nada comparáveis aos coitados dos cangurus, pequenos e magrelos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário